Henrique França: ‘Acho que todo mundo almeja algo maior!’

O analista de sistemas Henrique França está treinando com a Inthegra há pouco mais de um mês. Decidido a vencer a eterna luta com a balança, o corredor pensa na Maratona do Rio e sonha com uma ultramaratona. Confira!

“Desde a minha adolescência tive dificuldade para emagrecer. Entrei no quartel gordinho, mas lá consegui ficar dentro da faixa de peso ideal para minha altura. Depois de servir, em 1999, iniciei atividades físicas dentro de uma academia, puxando ferro.

Depois de um tempo, um professor da academia me motivou a participar de uma corrida de rua, quando decidi fazer uma corrida de 10km, a minha primeira corrida. Circuito do Sol. Sem assessoria e nenhuma orientação, fui em busca da minha primeira medalha. Um desastre. Quebrei no km7, quando pensei em caminhar um pouco para descansar. Triste ilusão! Quando dei os primeiros passos, doeu o corpo inteiro. Então, voltei a correr mesmo devagar e fui até o final.

Depois desta primeira prova, fui em busca de melhorar os tempos de 10km e 5km. Mas sempre tive medo das grandes distâncias, por que achava impossível, para mim, correr mais do que 10km. Apesar de nunca ter parado de correr, minha briga com a balança é eterna.

Depois de belos 20 anos e conhecendo melhor o meu corpo, decidi correr minha primeira meia maratona. Então pulei dos 10km diretamente para os 21km.

Mas estava melhor preparado para esta prova. Era atleta de crossfit, estava bem condicionado e com o corpo forte. Terminei a prova em 2h15min, inteiro. Poderia ter forçado um pouco e baixado o tempo, no entanto, o medo de quebrar e me frustrar era enorme.

Estou com a Inthegra há pouco mais de um mês. A assessoria é importante no suporte dos treinos e das corridas. Mas a motivação tem que vir de dentro de mim, caso eu não esteja com a cabeça boa e centrada para ir bem nos treinos, não haverá ninguém que me tire da inércia.

Sempre há muitas dificuldades e o tempo para treinar é muito complicado. Ainda mais quando queremos ter o acompanhamento do nosso professor Joel. O trabalho é o maior vilão dos treinos. No meu caso nunca tenho horário certo para sair, consequentemente perco muitos treinos. Mas quando não posso comparecer na base, acordo mais cedo no dia seguinte e realizo o treino, claro, sempre que possível.

No meu caso, existe uma preocupação bem grande. O tempo de recuperação. Hoje, sem usar qualquer tipo de suplemento para recuperação muscular, tenho me cansado bastante nos treinos e a recuperação é mais lenta por consequência disso. Por isso não estou com muito ânimo para realizar outras atividades.

Já fui a um especialista em nutrição esportiva. Serei acompanhado por ele e vou seguir suas orientações para melhorar a performance e a recuperação.

Acho que todo mundo almeja algo maior. Eu, como corredor, quero baixar tempo, concluir aquela prova em que não fui tão bem… Hoje eu miro a Maratona do Rio… terminar bem a prova e quem sabe fazer abaixo das 4h30min. E depois, quem sabe, me desafiar no Dopey Challenge da Disney, fazer uma ultramaratona…”