‘Muito prazer, Jaqueline! Mas pode me chamar de Pink!’

Olá, meu nome é Jaqueline, mais conhecida com Pink. Nem todos sabem, mas eu nem sempre fui essa apaixonada por corrida. Já fui muito sedentária, preguiçosa e baladeira. Mas entre 2011 e 2012 comecei a me encantar pela corrida e por uma vida mais saudável.

Comecei de forma despretensiosa, mas com muita vontade de mudar de vida. Queria algo diferente e que me desse energia, vontade de acordar cedo, aproveitar a vida e viver melhor. Foi assim que eu me enfiei nesse mundo running, que é um caminho sem volta.

Sempre fui bem magra – até demais –, então posso dizer que fui privilegiada nessa parte e o difícil mesmo foi fazer o corpo sair do sedentarismo. Tive sorte porque logo no meu primeiro ano de corrida evolui bem, mesmo sem muito acompanhamento. Corria com meu pai, que é maratonista, e com os amigos da Equipe Rocinha. Eu não malhava nessa época e apesar de estar correndo bem, já faturando uns trofeuzinhos, sentia que faltava encaixar algumas coisas. Na verdade, como estamos em constante evolução, é preciso ajustar os ponteiros de tempos em tempos.

De qualquer forma, acho que no começo o que conta mesmo é o incentivo, o apoio e a força de vontade. Sem esquecer, claro, do amor! Por que corrida é amor! E se você já tem um exemplo em casa, como eu tive com meu pai, eu te digo: APROVEITA! E depois se case com outro exemplo (RISOS).  Brincadeiras à parte, ajuda muito ter um companheiro de vida que ama o que você ama.

De 2012 para cá foram muitas provas e muitas conquistas. Uma delas foi conseguir a parceria com a minha assessoria, que tem preparadores incríveis e o meu treinador, que é uma fera das corridas. Tenho muito orgulho dele. É muito bom ter um treinador que é raçudo, que treina mesmo e que mostra na prática, que o que você precisa é ser focado e obstinado.  Joel é o cara.

E em quase dois anos de Inthegra posso dizer que evolui. MUITO! Estou muito feliz e numa fase excelente. Então que venham mais corridas, mais alegria, mais pódios e mais amigos. Por que o melhor que corrida nos dá são essas pessoas incríveis que a gente leva pra vida”.

Jaqueline Fernandes